14/10/2019

Plenário Nacional de Docentes (EPC, Ensino Artístico, Ensino Profissional)

- Inscrição Online


No seguimento do processo negocial entre a CNEF e a FENPROF para um novo Contrato Coletivo de Trabalho para o EPC, EAE e EP, a FENPROF, mantendo, desde sempre a sua posição na defesa de melhores condições de trabalho para os docentes a exercerem funções no EPC, decidiu realizar a 26 de outubro, em Lisboa, um Plenário Nacional.

Esta iniciativa terá duas partes distintas, a primeira fará o balanço da negociação entre a CNEF e a FENPROF do CCT para o EPC e formas de luta para pressionar a CNEF a negociar, e, na segunda pretende-se aprovar um caderno reivindicativo para o setor, para posteriormente ser apresentado ao novo Ministro da Educação e enviado aos grupos parlamentares.

É desta forma, com o envolvimento dos docentes na luta pela resolução dos seus problemas, tendo como princípio a mesma profissão, os mesmos direitos, que a FENPROF é a organização sindical que mais tem lutado por uma carreira digna e valorizada para os docentes do EPC, EAE e EP.

É com esta determinação, que a FENPROF continuará a lutar pela defesa da contratação coletiva, não desistindo de ter um Contrato Coletivo de Trabalho que reponha direitos, respeite os docentes e dignifique o seu exercício profissional.

Neste plenário também podem participar não sócios. Divulga junto dos colegas.

Mobiliza os colegas!
Contamos contigo!
Participa!


foto

Plenário Nacional de Docentes (EPC, Ensino Artístico, Ensino Profissional)

- Inscrição OnlineNo seguimento do processo negocial entre a CNEF e a FENPROF para um novo Contrato...

foto

A grave situação do Ensino Profissional em Portugal. Que futuro?

A DENÚNCIA E AS PROPOSTAS DA FENPROFA situação que resulta da opção de sucessivos governos por um...

foto

FINANCIAMENTO DE CURSOS PROFISSIONAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS

Denúncia da FENPROF e dos seus Sindicatos, para já, surtiu efeitoConcurso para financiamento foi finalmente...

foto

Nos trilhos da liberdade

Beja - 22 Abril 2017/ 15:00h local: Junto à pousada de São Franscisco

foto

Manifestação Nacional da Juventude Trabalhadora

Milhares de jovens trabalhadores manifestaram-se nas ruas de Lisboa contra os vínculos precários e os baixos salários.

foto

Professores trabalham, em média, mais de 46 horas por semana

"Os professores não podem continuar a sacrificar as suas vidas pessoais e familiares, suportando cargas de trabalho extremas que acabam por prejudicar, direta ou indiretamente, a resposta pedagógica adequada e de qualidade para os alunos e, igualmente, o seu bem-estar psicossomático, nem a colmatar a escassez de recursos das escolas com os seus bens materiais."